Demo Site

domingo, 20 de outubro de 2013

Pequenas coisas

Tudo o que eu queria era dormir, mas a minha cabeça não deixou. Tudo por causa das pequenas coisas, aquelas que ainda sinto falta, aquelas que eu vou sentir ou não queira sentir ou pensar.

As brincadeiras da infância que fazem a sua tarde dobrar de tamanho ou encurtar de tão rápidas, as noites de jogos na adolescência (se eu ainda continuo nela), tabuleiros e mais tabuleiros, passar a noite jogando conversa fora. Mas com o passar do tempo, vulgo a sua idade, as coisas crescem de dimensão e você sempre procura por mais.

Nós nunca nos satisfazemos com o que temos, até o ponto de sentir falta um dia.

Assistir o filme da sessão da tarde de sexta-feira e esperar ansiosamente por ele já não faz o mesmo sentido, contar moedas com os amigos para comprar esfihas no Habbib's já não faz falta há um bom tempo, ou não, e a maior dificuldade era poder ir ao shopping num domingo a tarde e hoje é muito mais fácil estar em outro país.

O que não me agrada hoje é não poder resolver alguns conflitos, porque o que nós mais queremos é mostrar que podemos.

Era difícil reunir todos os amigos diferentes no mesmo rolê e quando isso ficou simples desistimos. Foi fácil agendar uma trilha na mata, vamos marcar uma viagem à praia.

Hoje reclamamos de um rolê que não marcou, de alguém que não convidou, da treta que foi agendar isso ou aquilo. Eu penso que eu quero aproveitar ao máximo esses conflitos porque talvez sejam fáceis pra se resolver no futuro, ou eles nem existam e lá eu vou sentir falta dessas pequenas coisas que hoje martelaram na minha cabeça sem me deixar dormir antes de colocá-las nesse papel.

Eu sinto falta das pequenas coisas e por ventura eu nunca deixe de sentir isso, então, vamos viver pra que essas lembranças fiquem mais doces.

sábado, 26 de maio de 2012

De um verso à uma prosa

Há quase um ano estava postando até que frequentemente no meu blog e durante esse tempo eu pouco senti falta. Hoje quando me deparei por acaso, estava lendo algumas dessas postagens e ainda me pergunto enquanto escrevo isso "por que eu parei com algo que me fazia tão bem?".


Hoje eu não tenho mais tanto tempo pra ficar na internet, conversar com meus amigos ou aqueles que chamo de amigos (se eles ainda me consideram um). Acho que desaprendi muitas coisas. Eu acordo pela manhã, ligo meu iPod e esqueço do mundo, chego ao meu emprego (das 9h às 18h) talvez o momento de descontração do dia onde eu gosto de fazer as coisas que eu faço e também gosto das pessoas ao meu redor. Vou pra faculdade e sofro com os atendimentos do meu TCC e termino o dia dormindo no ônibus esperando que algo novo ou animador aconteça no meu próximo dia ou fim de semana.


Os dias estão todos ocupados, mais cinzas. Há um ano atrás eu vivia um turbilhão de emoções e hoje não passa de uma marolinha. Tenho tantas coisas a fazer que eu perco todo esse tempo com coisas fúteis como postar num velho blog.


Ou não?



sexta-feira, 9 de setembro de 2011

.

Às vezes eu penso porque sou tão diferente. Queria ser igual às outras pessoas fazendo as mesmas coisas, agindo da mesma forma, com as mesmas expectativas. O mundo onde eu estou não parece ser o mesmo do mundo real, me sinto como se fosse um aberração. Mas ao mesmo tempo essa forma única de ser e pensar me faz sentir mais forte do que todos. Eu posso ser o cara mais comum da face da terra e mesmo assim não vou me curvar às puxa-saquice de outros. Não sou melhor do que ninguém e também não quero ser um outro alguém. Eu sou assim e só quero dizer FODA-SE ao mundo.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Projeto Belissima


Trabalho da Agência Werbung em cima da abertura da novela Belíssima, aproveitem!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Não é fácil

Em meio ao caos e sereno. Acho que é assim que eu me encontro nesse momento e pensando nele de forma reconfortante porque eu sei o quanto é bom pra mim, e eu não estou triste por isso, estou tão feliz que sinto isso irradiar. Um bom dia, um sorriso, um abraço estão repletos de calor e energia positiva e eu quero compartilhar isso com o mundo porque eu parei de desviar do meu caminho para que os outros possam seguir, eu estou abrindo o caminho e se você não quiser ficar pra trás pode me acompanhar até encontrar o seu.

Nesse caminho eu não escuto mais o Heitor, porque ele não me leva a nada (piadinha manjada rsrsrsrs) e ficou tão claro o quanto o meu humor melhorou, a minha paciência cresceu, mas a minha tolerância continua na mesma. Às vezes a insegurança bate na porta e te faz lembrar de certas coisas que te fazer querer regredir, sabe? Ainda não me acostumei muito com isso, por isso eu tô arriscando mais, pra sentir a adrenalina correr pelas veias e sentir uma explosão de felicidade que te faz correr pela rua rindo à toa com pressa de chegar a um lugar desconhecido, quero que o mu coração bata numa velocidade mais forte e intensa, acho que já chegou a hora e se não vou vivendo até ela chegar.

Eu não sou um super herói pra fazer a vida de todos melhor e esquecer da minha, passei por essa fase. Hoje eu quero viver a minha felicidade, com cada um que eu cativei até hoje, um dia após o outro e cada vez melhor. Bem acho melhor eu estudar afinal tenho 4 provas bem difíceis ainda, nessa semana tem feriado prolongado e tudo apenas começou.


"... Parece absurdo
Mas tente aceitar
Que os heróis também
Podem sangrar
Posso estar confuso
Mas vou me lembrar
Que os heróis também podem sonhar
E não é fácil
Viver assim

Seja como for agora eu sei
Que o meu papel
Não é ser herói no céu
É na terra que eu vou viver

Eu não sei voar
Isso é ilusão
Ninguém pode andar
Com os pés fora do chão
Sou só mais alguém querendo encontrar
A minha própria estrada pra trilhar
Apenas alguém, querendo encontrar
A minha própria forma de amar
E não é fácil
Viver assim."

sábado, 21 de maio de 2011

Para minha adorada

Bem, faz um tempo já que eu não posto nada, talvez estive esperando por algo mais forte e não deu outra. Andando meio ocupado ultimamente, tanto a fazer na faculdade, no trabalho, eu percebo o quanto o ano passa rápido quando se termina outra semana e eu percebo que não fiz tudo o que eu queria, acho que isso vai levar mais tempo do que o que eu queria.

O dia das mães passou e nem um presente eu comprei pra minha, logo nesse dia onde ela, pela primeira vez, passou a data sem a sua mãe. Não consigo me imaginar no lugar dela. Essa semana eu comprei um presente, uma blusa que ficou curta e fomos trocar hoje.

Minha mãe é daquelas que vive do trabalho pra casa e que alguns dias vai fazer trabalho voluntário, não sai pra outros lugares... hoje ao passar algumas horas com ela, coisa que não fazíamos há muito tempo, ela conseguiu se distrair, ver novas pessoas e eu sei que isso faz falta e mais falta não ter o filho, único por perto.

Após a loja levei ela pra jantar comigo, ela que nunca come fora e me disse uma frase que realmente poderia fazer o mundo acabar.. "Hoje está sendo o meu dia das mães" e eu sempre penso que nós não existimos um para o outro, é uma ligação muito forte, não vem daqui e eu sofri tanto por pensar no dia em que ela me deixaria, me sinto fraco sem a sua presença, é o meu forte e meu guia, a minha alegria é ver ela descobrir novas cores em coisas que eu vejo tão simples, a sua inocência é parte da riqueza que descobri que está em mim e que não quero perder nunca. Espero que mesmo distante esteja sempre ao meu lado e que a sua coragem me guie pelo caminhos difíceis.

E para terminar, a uma música que ao ouvir se torna impossível não derramar algumas lágrimas:


Ah! Minha adorada
Viajei tantos espaços
Pra você caber assim no meu abraço

Te amo!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Querido diário...

Eu começo essa postagem com um sorriso no rosto, calma, é muito simples acho que se chama tranquilidade que veio após a tormenta.

Eu queria estar mais presente (mais.. como?) continuar a postar todos os dias sobre tudo o que eu puder, o problema é que a semana que passou foi muito conturbada e ainda deixou seus traços pelas que estão por vir, nessa parte eu sempre faço como Rousseau disse e sempre consigo voltar à ativa.

Faltam menos de 4 meses para fazer 21 anos, caramba a maioridade completa e eu ando me sentindo como um pré-adolescente, é de rir só em pensar. A minha bipolaridade não me deixa em paz em certas horas, fazer o quê se ela talvez seja uma companheira que estará comigo durante algum tempo e o que eu tenho a fazer é me acostumar.

Eu não consigo mensurar a gratidão que eu tenho à algumas pessoas por me fazer tão bem, seja em 10 segundos ou pela eternidade, próximas ou distantes uma certa coisa não muda, eu penso se elas ficam imaginando se devem estar se afastando de mim, às vezes com receio de me perder. Descobri que sou insensível com o sentimento de outros, um pouco frio, eu entendo que isso faça parte, o que eu mais gosto é que as pessoas estejam próximas a mim e eu acabo não fazendo o mesmo por elas, é uma lição a ser aprendida. Também tenho que deixar de ser chiclete em outras situações.

O bom de colocar tudo no "papel" é conversar consigo sobre pontos a melhorar, no caso o que eu sempre busco. Espero que ninguém leia isso, é engraçado partir do momento que eu divulgar em alguma rede social, quem sabe eu seja escutado por im alguem do outro lado do mundo, que se diverte com histórias de uma vida cotidiana aleatória, eu também me divirto em pensar essas coisas, o que provavelmente outra pessoa não faria.



Talvez eu esteja certo, mas talvez eu esteja errado,
Tornando-se à medida que avançamos,
Não fuja!
We're just getting closer...
Ocorreu um erro neste gadget

Procurando...